DecisionHub

Centro de Estudos Avançados em Tomadas de Decisão

Teoria Miogênica: Uma Explicação Alternativa para a Causa da Doença Cardíaca Isquêmica e do Infarto Agudo do Miocárdio

Junho 14, 2019 - 3:23pm -- carlosmonteiro

A teoria miogênica, desenvolvida em 1972 pelo brasileiro, médico, professor e cientista, Dr. Quintiliano de Mesquita -- falecido no ano de 2000, tem permanecido desconhecida pela quase totalidade da população de nosso País, e ignorada pela medicina tradicional, Nosso presente artigo foi estimulado pela homenagem póstuma feita à Quintiliano de Mesquita pelo Dr. Marcelo Queiroga, atual presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia, sendo publicada no Jornal dessa entidade, em março de 2019. No artigo o Dr. Queiroga demonstra em seus escritos sua integridade no plano científico, além de dignidade e espirito superior, claramente aberto aos avanços na medicina quanto a novas propostas buscando-se a real causa da doença cardíaca isquêmica. Fiquei bastante feliz com esse tributo prestado ao Dr. Mesquita, meu sogro, amigo e mentor, de grande valia na minha jornada dentro do campo médico-científico. Nele foram citadas suas diversas contribuições para a cardiologia internacional. Entre elas a da Teoria Miogênica do Infarto do miocárdio com seu específico tratamento através de glicosideos cardíacos,. O artigo do Dr. Queiroga é intitulado. "Quintiliano de Mesquita da Paraíba trouxe várias contribuições para a Cardiologia". Veja em http://jornal.cardiol.br/2019/marco/edicao/28/ Aproveito para notar sobre nossa homenagem em Memória ao Dr. Mesquita, publicada na revista Arquivos Brasileiros de Cardiologia ,em Janeiro de 2001. Veja em http://www.scielo.br/pdf/abc/v76n1/3875.pdf

 

Procurei, durante todos esses anos, preservar a memória das descobertas médico- científicas, realizadas pelo Dr. Mesquita, através do website do Projeto de Combate ao Infarto, fundado por nós em 1998 (http://www.infarctcombat.org) , Lá estão links para os seus diversos artigos médicos, cartas de louvor de colegas sobre vários trabalhos publicados, reportagens e prêmios dados ao Dr. Mesquita, brilhande médico, pesquisador e cientista, o qual considero como um dos maiores gênios de todos os tempos dentro da medicina. Também disponível nesse website está o livro “Teoria Miogênica do Enfarte Miocárdico – Novos Conceitos de Fisiopatologia e Terapêutica” publicado em 1979, com acesso gratuito em http://www.infarctcombat.org/LivroTM/qhm.html Durante os últimos anos tivemos a oportunidade de divulgar no exterior sobre a teoria miogênica, com a publicação de artigos e palestras em congressos de medicina como aconteceu no “Quarta Conferência Internacional sobre os Avanços da Ciência Cardíaca, realizada em novembro de 2012 na Arábia Saudita. Veja nossa apresentação em video (https://www.youtube.com/watch?v=xMsYZlaAcAc) e em Powerpoint (https://pt.slideshare.net/carlosmonteiro12382/teoria-miogenica)

 

Seguem alguns artigos de nossa autoria relacionados com a teoria miogênica:

 

  • “O Stress Como Causa de Ataques Cardíacos – A Teoria Miogênica”. (Traduzido para o português em http://www.infarctcombat.org/Stress- TM2014.pdf). A publicação original em inglês foi feita na“Wise Traditions in Food, Farming, and the Healing Arts” (Jornal da Weston A Price Foundation), em 2014. Esse artigo foi postriormente reproduzido pela Positive Health Online, Maio de 2015 em https://bit.ly/2JPr5FC

  •  

  • "Stress: O Maior Fator de Risco para o ataque cardíaco", Press Release ICP, Outubro de 2014 em http://www.infarctcombat.org/PR-TM2014.pdf

  •  

  • Digitalis and Strophanthin in Stable Ischemic Heart Disease and to Restrain or Reverse Heart Attacks. Positive Health Online, Abril de 2016, em https://bit.ly/2F070Zh

  •  

  • Coronary Thrombosis Theory of Heart Attacks: Science or Creed? Positive Health Online, Outubro de 2016 em https://bit.ly/2JRElcF

 

 

Adicionalmente, seguem importantes estudos feitos por outros autores, questionando a trombose coronária como causa do infarto:

 

1) Hans Selye demonstrou experimentalmente em 1958 como o stress, combinado com alguns agentes, pode induzir a necrose miocárdica onde as artérias coronárias estão perfeitamente normais. Ele também disse em seu artigo: "É digno de nota, no entanto, que, nessas circunstâncias, não apenas o infarto cardíaco, mas a obstrução orgânica dos vasos coronarianos, podem ser produzidos regularmente por meios humorais". (Hans Selye. The Humoral Production of Cardiac Infarcts, British Medical Journal, March 15: 1958). Veja em http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2028103/pdf/brmedj03094- 0021.pdf

 

2) Branwwod notou em 1978, em um estudo envolvendo cento e vinte e um pacientes que haviam morrido em uma unidade coronariana, que a incidência de trombos era de apenas 35,6% (44 casos). Nenhum trombo foi detectado em nenhuma artéria coronária em 64,4% (77 casos). Os trombos e infarto foram examinados microscopicamente, e a idade de cada um foi correlacionada de acordo com critérios conhecidos. Essa comparação revelou que dos 44 casos em que foram detectados trombos oclusivos, o infarto e o trombo tinham a mesma idade em 14 casos (32%), enquanto o infarto era mais antigo que o trombo em 30 casos (68%). Ele contou que os fatores que induzem o infarto, além da hipóxia, eram o stress, alterações celulares permeabilidade da membrana e aumento de catecolaminas. (Branwood AW. The Development of Coronary Thrombosis Following Myocardial Infarction. Lipids V 13 N 5). Veja em http://link.springer.com/article/10.1007/BF02533735

 

Nota

 

a) Os estudos acima não foram referidos anteriormente em nossos artigos.

 

b) Hans Selye é bastante conhecido pela sua pesquisa quanto aos efeitos do stress no corpo humano. Selye denominou essa coleção de sintomas como “general adaptation syndrome”. Ganhou reconhecimento mundial por suas extraordinarias contribuições tendo sido chamado por muitos de ““Einstein da medicina”.Selye definiu o “stress” em 1936 em seu primeiro trabalho científico. Ele escreveu mais de 1700 artigos acadêmicos e 39 livros sobre stress. (http://www.famousscientists.org/hans-selye/).

Decisões Médicas
Médicina
Cardiologia